top of page
  • Débora

Ilustração Botânica

Atualizado: 19 de nov. de 2021

Arte e Ciência se relacionam de diversas formas. Uma pode estar a serviço da outra; uma pode estudar e/ou representar, à sua maneira, a outra; as duas podem ser utilizadas em conjunto, como em livros didáticos e trabalhos acadêmicos, que não têm em sua composição apenas palavras, mas imagens também.

Com isso em mente, comecei a pensar sobre qual aspecto da relação entre essas duas áreas (que muito me interessam) eu poderia escrever um texto. Minha primeira ideia foi falar sobre Ilustração Científica, mas depois de um pouco de pesquisa e de algumas conversas, me deparei com o tema “Ilustração Botânica”.

Figura 01: Gongora bufonia. Diana Carneiro, 2010

Aquarela / Fabriano 300gm/² . 70 X 50cm

Coleção Hunt Institute. Fonte: <http://www.dianacarneiro.com/p/aquarelas.html>.


Segundo o Centro de Ilustração Botânica do Paraná (CIBP) [1]:

A ilustração botânica consiste na arte de representar uma planta com a maior fidelidade possível (formas e texturas), garantindo perfeito reconhecimento e possibilitando a identificação do vegetal. Através de aprimoramento técnico e artístico, o ilustrador capta todas as características formais do vegetal, traduzindo-as num trabalho expressivo, capaz de sensibilizar o observador.

Nesse sentido, é muito importante também considerar que, se uma ilustração se une à ciência, ela precisa ser elaborada com base no rigor científico. É por esse motivo que, para se criar uma ilustração botânica, o artista necessita de muita concentração e atenção, ele deve-se estar atento a todos os detalhes da planta que possam ser representados fielmente. Além disso, nenhum erro pode passar batido, visto que uma arte desse tipo sustenta uma pesquisa científica (explicando, acrescentando uma informação, representando algo que foi escrito) e, portanto, se feita com descompromisso, ambas serão invalidadas. Cabe dizer também que o próprio processo de ilustração envolve muita ciência. Podemos ver isso no uso de técnicas, que foram e são estudadas, desenvolvidas e aprimoradas ao longo de anos; no uso de materiais específicos, como tintas, que são desenvolvidos com base em muitos estudos científicos.

Você pode nunca ter ouvido falar sobre esse assunto, mas ilustrações botânicas são quase tão antigas quanto andar para frente. Brincadeiras à parte, temos registros de representações dos aspectos naturais desde a época dos homens das cavernas. Ademais, durante o período das Grandes Navegações e colonização de diversos territórios pelos europeus, missões artísticas eram corriqueiras [2] e tinham como objetivo representar as características naturais e sociais da nova terra invadida para que as informações obtidas pudessem ser documentadas. Enquanto eu pesquisava para escrever esse texto, me surpreendi ao descobrir que até Leonardo da Vinci fez algumas representações criteriosas de plantas. O artigo “Interações entre ciência e arte: ilustração botânica na produção visual contemporânea”, de Alessandra da Silva e Ricardo de Pellegrin [3], traz uma retomada histórica superinteressante das origens e do paulatino fortalecimento da área de Ilustração Botânica.


Figura 02:Streptocalyx poeppigii. Margaret Mee.

Aquarela sobre papel. Obra se encontra do Royal Botanic Gardens, Kew. Fonte: <http://www2.eca.usp.br/cms/index.php?option=com_content&view=article&id=66:margaret-mee-e-a-ilustracao-cientifica&catid=14:folios&Itemid=10>.


Ademais, agora falando sobre questões técnicas, os materiais mais comumente usados pelos ilustradores botânicos são: aquarelas, para desenhos coloridos, e nanquim, para desenhos em preto e branco. A fotografia pode ser utilizada como um apoio para a ilustração, para auxiliar a enxergar pequenas coisas, por exemplo, mas ela não consegue substituir o desenho manual justamente pela quantidade de informações que um desenhista consegue exprimir no seu trabalho [4]. Também há a possibilidade das ilustrações digitais, que demandam muito domínio do artista, mas que também conferem bastante liberdade criativa. Por último, o nome científico do que está sendo representado também deve ser escrito.

Esse tipo de arte não tem fins apenas estéticos ou representativos, ele também é utilizado como meio de comunicação e pode servir como espaço para a realização de denúncias. A artista Margherita Leoni é um belo exemplo: em um vídeo disponível na sua página pessoal [5] e no YouTube [6], ela utiliza uma de suas ilustrações para denunciar o desmatamento [7]. Isso nos mostra que não é muito fácil tentar colocar um tipo de arte em uma caixinha, uma ilustração botânica não é apenas um componente, uma estampa de um livro ou texto científico, ela fala por si só, carrega um pouco da pessoalidade do seu autor e um pouco do tempo no qual ela foi feita. Ela serve como informante, carregando dados que são mais bem compreendidos por biólogos e também carregando denúncias.


RECOMENDAÇÕES:

Alguns nomes de ilustradores botânicos, entusiastas e instituições da área que você precisa conhecer: Margaret Mee, Diana Carneiro, Lindolpho Capellari Júnior (professor da ESALQ), Cecília Tomasi, Margherita Leoni, Fundação Flora de Apoio à Botânica, Centro de Ilustração Botânica do Paraná.

Gostou do assunto e ficou com vontade de se aprofundar mais em termos técnicos? O livro “Ilustração botânica: princípios e métodos”, de Diana Carneiro pode ser uma boa opção.

Vídeo: Ilustração botânica, uma mania que une arte e ciência. Link: <https://www.youtube.com/watch?v=nWDG57rE8UI>. Aqui, a artista Cecília Tomasi comenta inclusive sobre o interesse dos tatuadores em ilustração botânica, é bem legal.


FONTES:

[1] Ilustração Botânica. Disponível em: <http://www.cibp.com.br/>.

[2] Artistas viajantes mulheres, uma visão feminina sobre a ilustração botânica e etnográfica. Parte 1: Expedições Científicas. Disponível em: <https://rosangelapertile.com/2021/07/05/artistas-viajantes-mulheres-uma-visao-feminina-sobre-a-ilustracao-botanica-e-etnografica-parte-1-expedicoes-cientificas/>.

[3] SILVA, Alessandra, PELLEGRIN, Ricardo. Interações entre ciência e arte: ilustração botânica na produção visual contemporânea. Disponível em: <https://files.cercomp.ufg.br/weby/up/778/o/CulturaVisual_L2_069.pdf>.

[4] Ilustração botânica: conheça a carreira que une ciência e arte. Disponível em: <https://revistagloborural.globo.com/Noticias/Cultura/noticia/2018/04/ilustracao-botanica-conheca-carreira-que-une-ciencia-e-arte.html>.

[5] Margherita Leoni | Video. Disponível em: <https://margheritaleoni.com/sito/video.html/.

[6] Parque das emas legendado. Disponível em: <https://youtu.be/4WmLoTGlZno>.

[7] Ilustração botânica é carreira promissora no país. Disponível em: <http://revistagloborural.globo.com/Revista/Common/0,,ERT315107-18095,00.html>.

423 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Débora

bottom of page